O Futebol das Fábricas ou Fábrica do Futebol ?


Esporte Clube Costeira


Mathias Brotero

Além do Esporte Clube Metalúrgico que viveu tempos áureos na década de 1940, existiu em São Gonçalo o Esporte Clube Costeira, fundada a 25 de maio de 1960.

Em 1979, foi o segundo colocado na Divisão de Acesso de times do interior, segunda divisão do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro. O campeão e vice foram respectivamente o Friburgo Football Club e o Esporte Clube Costeira. Porém em 1980, o campeão foi o E C Costeira e o vice-campeão foi o Novo Rio FC, de São João de Meriti, que daria origem em 1981 à União Esportiva Coelho da Rocha. Não houve promoção para a Primeira Divisão do ano seguinte.

No começo do século XX o futebol começava a ganhar popularidade no Brasil. O esporte elitista trazido da Inglaterra por Charles William Miller passou a ser jogado por outras classes sociais, e rapidamente se popularizou nas fábricas e indústrias brasileiras.

Os trabalhadores jogavam em seu horário de almoço e os dirigentes das fábricas começaram a perceber que o esporte unia os seus funcionários. Assim, muitos cediam terrenos inutilizados das fábricas para fazer um campo com sede – uma jogada genial, pois além de unir os trabalhadores em torno do espírito corporativo da empresa, o futebol funcionava como propaganda da indústria, tornando as fábricas mais conhecidas.

Na medida em que mais times iam crescendo e se enfrentando, as fábricas ganhavam mais nome e a “indústria do futebol de fábricas” começou a crescer. Durante a contratação de funcionários, algumas indústrias priorizavam aqueles que soubessem jogar futebol. Houve até casos em que algumas fábricas contrataram operários só para jogar, mas no contrato escreviam que eles trabalhavam nas fábricas, pois só podiam participar dos campeonatos, aqueles que trabalhavam naquela indústria.
A popularidade dos jogos chegou ao ponto de servir como propaganda governamental para o Estado Novo, pois as ligas classistas criavam torneios amadores que seguiam as regras do Estatuo do Conselho Nacional de Desportos (CND) do Governo Vargas.

Porém, aquele espírito de união que o futebol dava para os jogadores de fábricas começou a se esvair. A competitividade para jogar pelas empresas criou muitas rixas entre trabalhadores, que queriam desfrutar dos benefícios que um jogador de empresa tinha (como poder ser dispensado para treinar ou trabalhar com uma carga horária mais flexível). Ao mesmo tempo, os bons jogadores assinaram contratos com grandes times nacionais, e passaram a viver só disso, como foi o caso de Mané Garrincha. Os operários que ficaram velhos demais para jogar voltaram para as suas fábricas e os times de futebol de fábricas foram perdendo força.

Eventualmente os presidentes das fábricas perceberam que havia outras formas mais eficientes de propaganda para a sua indústria, e os times de futebol de fábrica foram lentamente se perdendo no tempo.

Revista Placar, 16/09/1977


QUEM SE LEMBRA DO COSTEIRA TREINANDO NA PONTA D'AREIA?


Péris Ribeiro*
 
Clube fundado em 1960, não registra grandes feitos em sua história. Da velha Companhia de Navegação Costeira restam o emblema - uma Cruz de Malta que era pintada nas chaminés dos saudosos Itas -, o nome e alguns abnegados sócios, que descontam as mensalidades em folhas. Eles não deixam o clube morrer — ao contrário, é organizado, com departamento médico que funciona e pagamentos rigorosamente em dia. Também, são apenas 12 profissionais e uma porção de amadores. Salário mínimo, naturalmente — para eles é salário mínimo realmente, pois nenhum tem emprego na companhia, empresa pública que não tem mais navios e foi transformada em estaleiro de reparos navais, na costa de Niterói.

(... )Porém o otimista presidente Sebastião Barbosa de Melo afirma que o Costeira melhorou muito de lá para cá, pois mantém o mesmo time-base há trés anos e reforçou as posições deficientes.

A torcida, pequena porém fiel, confia muito em seus quatro craques, aqueles que faturam 2 mil por mês: o goleiro Tonho, 22 anos; o quarto-zagueiro Getúlio, 23 anos; o ponta-direita Aílson, 24 anos, veloz e de bom chute, e a armador Gutinho, estrela da companhia, que diz ter 23 anos mas aparenta muito mais, cacheiro que já andou em muito clube por ai — o último foi o Volta Redonda — e que sabe de bola sem correr muito atrás dela.

Uma pena não ter a foto do time da Costeira, apenas uma comprovação de um dos jogos. No antigo placar ao fundo o nome Costeira.   Jogo onde o Costeira sagrou-se campeão da Segunda Divisão do Campeonato Estadual do RJ.

Esporte Clube Costeira foi uma agremiação esportiva de São Gonçalo, no estado do Rio de Janeiro, fundada a 25 de maio de 1960.

Criado na ilha do Viana, na vizinha Niterói, por funcionários do estaleiro da Cia. Costeira de Navegação Marítima, o Costeira disputou diversos campeonatos promovidos pela Liga Desportiva de Niterói.

Se transfere para São Gonçalo, após vencer a Segunda Divisão Estadual (Zona do Interior) em 1980 e posteriormente abandonar o profissionalismo, muito dispendioso para a sua realidade financeira.

Retorna apenas em 2002, na Terceira Divisão de Profissionais. Classifica-se em segundo em seu grupo e chega à fase seguinte, na qual é eliminado ao ficar em terceiro em uma chave que classificou apenas o primeiro colocado Artsul Futebol Clube.

No ano seguinte, foi convidado a disputar a Segunda Divisão, mas não alcançou um bom desempenho. É eliminado precocemente na primeira fase ao ficar em segundo em uma chave com três equipes.

Licenciou-se após essa disputa, culminando numa posterior desfiliação pela FFERJ, devido a seis anos de inatividade. Suas cores são azul e branco.

 

 ______________________________________________________

A Sociedade de Artes e Letras de São Gonçalo agradece a Anselmo Lopes da Silva, administrador do grupo "São Gonçalo Antigo" a permissão de postagem desta matéria.
______________________________________________________ 
 
Texto: Mathias Brotero, “O Futebol das Fábricas ou a Fábrica do Futebol” - Pesquisa do amigo Antônio Gavina do Facebook: http://www.facebook.com/PontaDAreiaNiteroi

(*)   Revista Placar, 16/09/1977

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Brasil não ganha o Nobel de Literatura

Unificação e integridade do ser humano

Gaia somos nós, nós somos Gaia