Elaborando Bons Personagens

Não tenha pressa em construir a sua história e sair contando pelas páginas sem antes embasá-la totalmente. Sair escrevendo desenfreadamente sem um planejamento de personagens é como pegar estrada sem revisar o carro para tal quilometragem. O que vai acontecer? O carro vai pifar no meio do caminho, assim como o seu roteiro também vai embotar com as suas ideias.
Você não irá perder tempo se antes de escrever, começar a traçar uma linha
genealógica e biográfica de seus personagens principais. Assim como em uma peça de teatro, os atores que interpretarão os personagens em cena, fazem um preparamento, que incluem leituras, entrosamento, marcações de palco, entre outras coisas. O personagem começa a ser construído, antes do primeiro ensaio.
Os personagens de seu livro também precisam ser bem construidos. Afinal, o autor somente irá dispor das palavras para torná-lo mais verossímil e a leitura agradável até o final, fazendo o leitor ficar preso na história e ter interesse em acompanhar, seguir e até recomendá-lo como leitura de qualidade.

Exemplos:
Protagonista- É o principal, aonde a história toda irar girar. Não é exatamente o herói no romance, porque em muitos casos, o principal pode ser o vilão, como em literaturas de terror. Os protagonistas precisam ter uma linhagem genealógica básica, com breve história dos irmãos, pais e avós. Também precisam ter um histórico biográfico, contando um pouco do passado, para não escrever incoerências no livro e deixar tudo muito bem atrelado. Também é importante que o protagonista tenha definido algumas características pessoais, como hobbys, fobias, traumas, preferências, além de detalhes físicos e estéticos.   

Antagonista- Ele é quase que adjunto ao protagonista, mas está em uma linha oposta, como se fosse um vilão. Como havia falado do protagonista, também existem literaturas onde no caso, o antagonista é o herói. Esse personagem geralmente tem a sua biografia construída na mesma profundidade do protagonista, porém deve ser pouco apresentada, para não tirar o foco do personagem principal. O foco no antagonista é o motivo dele se tornar o oposto do protagonista. Não é tão difícil construir e manter esse tipo de personagem durante o livro.

Personagens coadjuvantes- Esses são os que vão dar uma ilustrada na obra. Eles são cúmplices do que acontece no pequeno universo que dura nas páginas do romance. Eles sabem e interagem na história, ajudando e prejudicando em alguns aspectos. O desafio é nunca criar personagens coadjuvantes desnecessários. Somente inclua um personagem que realmente tenha função importante na obra. 

Personagens secundários- Esses são os que precisam fazer parte para que o enredo não fique isolado demais. Os secundários têm a sua importância para suavizar certas passagens na história, sempre fazendo o inverso, como cenas de humor ou de romance.
Uma forma de tornar os secundários especiais é antes da obra, apresentar uma característica onde seria fundamental a participação dele. Ex: O vizinho velho e o seu carro empoeirado no início da trama. Depois vem a necessidade do protagonista fugir no meio do livro e o vizinho acaba emprestando o veículo.

Escrever um livro é como um jogo, onde o enredo é o cenário e os personagens são peças no tabuleiro da história. O autor precisa apenas observar os personagens e construí-los da melhor forma possível. Quanto mais ele ler e pesquisar, melhor serão os resultados.

Mais dicas: Leia muitas reportagens em jornais e internet para desenvolver os seus personagens. Se atentem nas características e construa todo o perfil biográfico, genealógico e características pessoais. Em muitas dessas construções, você pode desenvolver histórias próprias. Tudo dependerá de seu empenho, criatividade e imaginação (que também somente se desenvolvem através de muita leitura).

Leo Vieira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro Vinho & Poesia da Editora Pragmatha com o poema nó gordio, de minha autoria, Mauricio Duarte

Gaia somos nós, nós somos Gaia

Doce melodia