Epitáfio: nossa civilização

Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências

Patrono: Marechal João Batista de Mattos

Acadêmico: Mauricio Antonio Veloso Duarte

Cadeira: 56




Epitáfio: nossa civilização


Experiência desses mortos-vivos todos,

nosso homem contemporâneo estrebucha,

é preso entre o niilismo e a desesperança,

é um ébrio de fantasias degradadas...


Dejeto químico da humanidade,

essa ferrugem corrói, sim, inclemente,

a tal honestidade que ainda restava

nas consciências ou o que se dizia como isto...


Destroços de uma estrutura muito gasta,

cuja força é agora só uma maior tibieza,

aquela que não é resignação, não,

mas também não é positiva, ao contrário...


Exaltação dos penduricalhos do amor,

esse amor que é puro egoísmo, que não chega.

Nunca chega, não é nem hedonismo não.

Epitáfio: nossa civilização...


Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1° Concurso de Contos da AGLAC

A breve vida da página "Armandinho morrendo violentamente"