Naufrágio



Naufrágio
Acidente interior
Entre perguntas que faço
Querendo não desistir:
Do amor
Do amar
E ser feliz.
Naufrágio
São como versos
Que na hora de rimar
Pulam regras ortográficas
Pra falar do que quiser
Sem medo de serem corrigidos.
Naufrágio
São como sonhos não realizados
Que me permitem retocá-los
Dentro de mim.
São fases vividas nas frequências erradas
Que na maturidade
Tornam-se pedras de encaixes perfeitas
Pra não me deixarem
Viver sem mim.
Bartira Mendes
Visite a página da poetisa, escritora e palestrante Bartira Mendes . RESPIRANDO POESIA . https://www.facebook.com/bartiramendesrespirandopoesia/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1° Concurso de Contos da AGLAC

A breve vida da página "Armandinho morrendo violentamente"