Farsa da sociedade do espetáculo


Academia Virtual de Letras
Patrono: Paulo Coelho
Acadêmico: Mauricio Duarte
Cadeira: 39



Farsa da sociedade do espetáculo

De tantos redemoinhos
ao redor de um círculo,
em torno de si próprio,
é esta sociedade,
gotas de conta-gotas
das pieguices, outras tais
comiserações e
ah, a vida cotidiana.

Criações dos marqueteiros
a luzir o estrelato
quinze minutos, fama
morango com chantilly,
fama sorvete se
desnudando de novo
e de novo, no sabor
do sorver do tal ódio.

Máscaras de fantoches,
olhando em volta antes
que esse pano do palco
desça e acabe com todo
espetáculo, farsa
rememorada sempre,
olhos, ouvidos dos
que não enxergam nem ouvem.

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prefeito Joaquim Lavoura

A diferença entre o Rio de Janeiro e São Paulo

Rafael Zulu - "sou totalmente gonça"