terça-feira, 3 de junho de 2014

Cenários


Como sempre informo, escrever é uma habilidade de construir ideias e sonhos apenas com as palavras. Para isso, o escritor deve dominar muito bem o seu vocabulário para expressar de forma mais articulada e criativa possível, a fim de fazer o leitor se desprender do texto e imaginar mais facilmente. O autor não pode utilizar linguagem rebuscada, nem mesmo contar a história de forma complexa, para não tornar a obra difícil. A mente deve andar junta com a leitura e fluir com naturalidade. Se tentar bancar de diplomata, você vai cansar e perder o leitor aos poucos.
Além de dominar bem a história, o que é essencial, você também precisa saber o que está fazendo. Nem sempre você precisa estar no local para descrever melhor o cenário. Apenas uma pesquisa habitual é necessária, para não deixar escapar umas incoerências indigestas.
Você é livre para imaginar. Deve abusar ao máximo da imaginação. Mas também tem que saber que certas coisas têm limites e até mesmo proibições para apresentar um espaço a ser habitado pelos personagens. Tudo depende da temática de sua obra.
Exemplo: Dan Brown, em "Anjos e Demônios", narrou uma aventura policial situada no Vaticano. Porém, ele colocou tantas incoerências e divergências turísticas que a editora precisou revisar a obra com jornalistas e consultores especializados, onde inclusive, inseriu um pequeno mapa impresso ao livro, na edição seguinte.
Não tenha preguiça de pesquisar. Observe paisagens e seja criativo na descrição no texto. Analise mapas e procure explicar de forma prática e criativa. Cuidado para descrever baldeações em tempos inexistentes, a não ser que seja em veículos potentes. Reforce em detalhes turísticos. Você pode até criar e embelezar algum, desde que esteja seguro na informação. Visite bastante o cenário com a sua imaginação.



Leo Vieira

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...