Dicas para um Desenhista


Alexandre Martins*

Como brasileiro, desde cedo desprezei anglicismos. É como diziam das Missas em Latim: se estamos no Brasil, por que não rezar em Português?

Na área que estou, existem vários nomes, mas o mais popular é o de "Design". Ora, ser um "designer" é mais pomposo do que dizer apenas "desenhista", sendo que, no fim das contas, são a mesma coisa. No Brasil, "designer" é o profissional que trabalha em projetos, como o desenhista industrial, e "desenhista" é qualquer um que desenhe alguma coisa. Desconfie dos que exigem que sejam tratados como "designers", para eles vale a máxima do "quem não é doutor exige ser chamado como tal".

"Design" ou Desenho Industrial é a idealização, criação, desenvolvimento, configuração, concepção, elaboração e especificação de objetos que serão produzidos por meio de sistema de produção seriada com padronização dos componentes. Em inglês, "design" (dizáinar) significa "desenhista de projeto" e "draftsman" (draf-tz-mén) o "desenhista artístico" ou à mão-livre.

Sou um desenhista. Mesmo fazendo desenho-animado, ainda sou um desenhista. E me orgulho muito disso.

Para os que gostam de desenhar e acham que somente sendo um "designer" terão dinheiro, seguem alguns itens que poderão ajudar a saber se sua vocação é essa:

1 - Ser curioso em relação às mais diversas áreas e gostar de estudar e de ler. Como sempre, ler é fundamental. E ler coisas boas, mais ainda.

2 - É importante ter interesse por artes visuais, mas não é imprescindível “saber desenhar”. Ou seja, procure um bom Curso de Desenho, pois nele você terá à sua disposição as orientações para saber que nem sempre é preciso ser um Michelangelo ou um Frank Frazetta para trabalhar com desenho.

3 - Desenvolver, além da aprendizagem de técnicas, o estudo de comunicação e linguagens que traduzam, resumam ou mesmo adicionem significados aos textos que serão acompanhados das ilustrações. Ou seja, conhece sua língua pátria, o Português? Deveria. Não é preciso ser um Professor Pasquale, mas falar e escrever bem ajuda muito o desenhista.

4 - Ter um portfólio de trabalhos e um cartão de visitas. Parece brincadeira, mas a grande parte dos que bateram na porta do meu estúdio não tinham nem uma pasta plástica para colocar seus desenhos, e muitos desenhavam em folhas pautadas! Faça seu portfólio lembrando da máxima "Se não está na pasta, você não sabe fazer".

5 - Definir quais as áreas em que deseja atuar e buscar o perfil das empresas que têm afinidades com seu trabalho. Na região de São Gonçalo e adjacências há muitas empresas, de todos os tamanhos e necessidades de desenhistas.Não é preciso ir para o Rio de Janeiro, muito menos para São Paulo. Bata de porta em porta.

6- Nunca aceitar convites para trabalhar de graça ou por preços irrisórios, o que desqualifica o profissional e a profissão. Parece óbvio, né? Mas muitos trabalham assim achando que irão conquistar a empresa ou o cliente. Sempre cobre alguma coisa, nem que seja um cachorro-quente...

Alguns livros como “Viver de Design”, do Gilberto Strunck (professor de minha Escola) dão orientações interessantes para designers e que podem ser utilizadas também por ilustradores.

Sobre preços, falaremos em outra ocasião.

Bons desenhos!









_______________________________
(*) Empresário Cultural, bacharel em Artes (EBA/UFRJ)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro Vinho & Poesia da Editora Pragmatha com o poema nó gordio, de minha autoria, Mauricio Duarte

Gaia somos nós, nós somos Gaia

Doce melodia